5 jogos brasileiros que você precisa jogar


(TODO CONTEÚDO DESSE TEXTO PODE SER VISTO NO VÍDEO ACIMA)
Não sei se vocês sabem, mas muitos jogos bons são produzidos no nosso país hoje em dia. Tá certo que não temos grandes produções com investimento de milhões de dólares, porém isso nunca fez diferença na qualidade dos jogos brasileiros. Não acredita? Então vou mostrar 5 jogos brasileiros de diferentes estilos para vocês conhecerem e jogarem. Continue lendo

Anúncios

Extinction: Alien Invasion – Jogo brasileiro – Análise


(TODO CONTEÚDO DESSE TEXTO PODE SER VISTO NO VÍDEO ACIMA)
Desenvolvido pelo brasileiro Henrique Souza, Extinction: Alien Invasion é um jogo de tiro de visão superior, bem ao estilo de jogos como Alien Swarm e Alien Breed. Não é muito frequente vermos jogos desse estilo sendo lançados, então resolvi fazer o teste. Continue lendo

Castlevania – O segredo do sucesso


(TODO CONTEÚDO DESSE TEXTO PODE SER VISTO NO VÍDEO ACIMA)
Começando no nintendo 8 bits, Castlevania é uma das franquias com mais títulos em sua série principal, títulos esses espalhados por vários consoles e muitos deles estando entre os melhores jogos de sua época, algo buscado por muitos jogos, mas conseguido por poucos. Mas o que fez essa série conseguir tamanho sucesso? Será que foi a homenagem aos clássicos do terror do cinema? Ou talvez a simplicidade do seus títulos mais antigos que se resumiam a apenas um cara com chicote querendo derrotar o Drácula? Tudo isso faz parte, mas eu acredito que o maior motivo para a série fazer sucesso é por ser conservadora e quando cito isso, entendam que não estou relacionando de forma alguma com política, mas sim com o simples ato de conservar o que deu certo e inovar ao poucos, mas manter qualidades do passado. Continue lendo

Perfect World – Origem e decadência


(TODO CONTEÚDO DESSE TEXTO PODE SER VISTO NO VÍDEO ACIMA)
Perfect World é o nome de jogo mais pretencioso que já vi, pois carrega uma promessa impossível. A tradução do nome desse game significa “mundo perfeito”, mas sabemos que perfeição total é algo que não tem como ser alcançada. Ainda sim, Perfect World usou esse nome para entregar um mundo virtual que seria grandioso e divertido, mas que com o tempo se afastou bastante da perfeição. Continue lendo

Streaming – O futuro dos videogames?


(TODO CONTEÚDO DESSE TEXTO PODE SER VISTO NO VÍDEO ACIMA)
Recentemente a google anunciou sua empreitada no mundo dos videogames com o Stadia. Desde a geração do Xbox original, não vemos um concorrente de peso entrando nesse mercado, mas a gigante das buscas tem suas razões para isso, pois ela não vai tentar vender consoles, mas sim rodar os jogos em um super servidor e o jogador vai poder jogar sem precisar de consoles ou computadores. Meio parecido com o que a Netflix já faz, mas no lugar de assistir filmes e séries, você vai jogar. Isso gerou muita discussão na internet, mas eu acredito que eu possa contribuir com coisas que poucos estão falando, por isso resolvi fazer as perguntas certas e levantar fatos que poucos comentados. Continue lendo

Porquê Pokémon precisa se reinventar


(TODO CONTEÚDO DESSE TEXTO PODE SER VISTO NO VÍDEO ACIMA)

Se você tem uns 20 ou 30 anos sabe como foi a febre de pokémon do final da década de 90 e início dos anos 2000, um fenômeno do entretenimento que rendeu diversos filmes, animações, bonecos, cartas e principalmente jogos. Devida a baixa qualidade da animação de pokémon, que já foi um dos produtos que mais ajudavam a divulgar a marca, essa febre diminuiu, porém durante anos pokémon continuou firme e forte na sua origem, isto é, nos videogames. Ter um jogo da franquia de monstros de bolso nos portáteis da nintendo é mais do que esperado, é quase obrigatório, mas de uns tempos para cá, é inegável que a franquia está perdendo força. Eu mesmo já fui bastante fã, zerei diversas vezes os jogos da primeira geração, mas sempre que eu tento jogar algum jogo mais novo, me sinto entediado e o largo no meio. Resolvi expor então algumas ideias que não são novidades para muitos, mas talvez alguns de vocês não tenham parado para pensar o que está fazendo a série ficar cada vez pior.

Continue lendo

Quem são as pessoas que querem destruir os videogames?

Toda vez que um jovem comete um assassinato em massa, um relógio começa a contar na minha cabeça, o qual registra quanto tempo vão demorar para culpar os videogames. Geralmente é questão de minutos, basta alguém falar que os assassinos jogavam e pronto, está montada toda uma teoria que relaciona jogos eletrônicos com violência. O caso mais famoso foi o do Massacre de Columbine que aconteceu nos Estados Unidos, onde jovens entraram armados em uma escola e atiram contra os alunos. Descobriram que os assassinos adoravam Doom, um jogo de tiro em primeira pessoa para computadores, famoso por ser muito violento. O incidente em Columbine aconteceu em 1999 e desde aquela época tentaram relacionar videogames com assassinatos, mas estudos não conseguiram provar nada até hoje. Façam a pesquisa vocês mesmos, pois eu já fiz e sei que não existe prova e muito menos consenso sobre isso. Mesmo assim, depois de quase 20 anos de Columbine, a imprensa e os políticos não param de culpar os jogos eletrônicos e é normal a gente pensar que só idiotas não aprenderiam a lição depois de tanto tempo, afinal de contas, jornalista é uma profissão que é famosa por investigar as coisas, então facilmente eles chegariam na mesma resposta que qualquer um que procurar por artigos científicos no google vai encontrar. Os políticos são cheios de assessores, então obviamente eles sabem disso ou no mínimo são incompetentes. Eu fui inocente ao pensar que essas pessoas eram apenas velhos que não sabem do que estão falando e odeiam coisas novas, mas já ficou óbvio uma coisa: Eles trabalham para destruir os videogames no nosso país e no mundo. É isso ou estamos lidando com pessoas tão incompetentes que não sabem nem fazer uma busca no google. Mas por que eles querem acabar com os jogos eletrônicos? A resposta mais simples é a busca pelo poder. Mas vamos por partes, cada um que culpa os videogames têm os seus motivos, então primeiro vamos falar da imprensa.

Continue lendo