Plasma Puncher – Jogo brasileiro de pancadaria 2d

(TODO CONTEÚDO DESSE TEXTO PODE SER VISTO NO VÍDEO ACIMA)

É engraçado perceber de onde vem a inspiração das coisas. O brasileiro Éder Cardoso teve uma gripe forte e no lugar de ficar se lamentando sobre isso, pensou como seria bom ter um anticorpo porradeiro que destruísse na pancada os vírus que estavam atacando seu sistema imunológico. Assim nasceu Plasma Puncher, jogo independente feito pelo estúdio Tomatotrap, o mesmo que tinha emplacado um jogo Tratamento de choque, que chamou a atenção da mídia em 2013. Continue lendo

Odallus – Jogo brasileiro inspirado em clássicos dos anos 80

(TODO CONTEÚDO DESSE TEXTO PODE SER VISTO NO VÍDEO ACIMA)
Depois do grande crash dos videogames, os jogos voltaram a ser populares com o nintendo 8 bits. Diferente do atari 2600, os jogos do console da nintendo exigiam um pouco menos da imaginação do jogador, mas ainda sim tinham gráficos e elementos de jogabilidade limitados se comparados com os que podem ser feitos hoje em dia. Eles eram curtos, tinham poucas fases e não haviam muitas cores disponíveis, mas para compensar a baixa longevidade, eram bastante desafiadores. Logo, os jogos foram ficando com gráficos mais elaborados e a dificuldade foi diminuída, já que as mídias de armazenamento em disco ofereciam muito mais espaço e assim os desenvolvedores não precisavam apelar para dificuldade para deixar os jogos mais longos. Como tudo que é velho, eventualmente vai voltar a ser novo, os desenvolvedores independentes olharam para esses jogos antigos e resolveram reproduzir as coisas boas que eram feitas neles. Um desses projetos foi o “Odallus: The Dark Call” feito pelo estúdio brasileiro, Joymasher, que não é exatamente um jogo do jeito que era feito antigamente, mas sim da forma que nós lembramos que eles eram. Continue lendo

Fluffly Horde – Jogo de fantasia medieval com coelhos

(TODO CONTEÚDO DESSE TEXTO PODE SER VISTO NO VÍDEO ACIMA)

Já pensou como seria legal uma turma tipo a do senhor dos anéis, com elfos e humanos em um ambiente medieval, mas no lugar de lutar contra hordas de orcs horrendos, você terá que combater coelhos fofinhos? Bom, se você nunca pensou em algo assim, mas ficou curioso em saber como seria isso, saiba que o estúdio Turtle Juice está desenvolvendo o Fluffy Horde, que tem justamente essa premissa. O texto a seguir vai falar sobre a versão de demonstração que o estúdio Turtle Juice enviou para o Dimensão interativa analisar, então a que a versão final provavelmente vai melhorar bastante comparado com a versão que joguei. Continue lendo

Spark the electric jester – O Sonic brasileiro – Análise

(TODO CONTEÚDO DESSE TEXTO PODE SER VISTO NO VÍDEO ACIMA)

Houve um tempo que o Sonic era um dos personagens mais importantes dos videogames, protagonista de uma das guerras de consoles mais icônicas entre Nintendo e Sega. Do começo dos anos 90 para cá, alguns jogos do ouriço da Sega decepcionaram os fãs e os jogos 2D do personagem foram renegados aos consoles portáteis e jogos menores. Assim acabou surgindo uma grande carências de bons jogos do Sonic e quem acabou suprindo essa necessidade foram os próprios fãs, que “arregaçaram as mangas” e começaram a fazer seus próprios jogos do ouriço. Muitos desses fãs mostraram que entendiam o personagem Sonic e o que fazia os jogos da franquia serem bons de uma forma que nem seus criadores demonstraram saber, tanto que um dos anúncios mais aguardados pelos fãs, o Sonic Mania, foi feito por desenvolvedores que vieram da comunidade de fãs do Sonic, que conseguiram portar muito bem os jogos clássicos do ouriço para os celulares. Um dos maiores destaques nessa comunidade é o brasileiro Felipe Ribeiro, mais conhecido como LakeFeperd, que depois de ter desenvolvido 3 jogos de Sonic, resolveu usar essa experiência para fazer o jogo Spark the electric Jester, um título nos moldes dos games do ouriço da Sega.

Continue lendo

Remasters antigos

(TODO CONTEÚDO DESSE TEXTO PODE SER VISTO NO VÍDEO ACIMA)

Remasters, a nova mania  para se odiar da galera (mais uma nova modinha para ser odiada pela galera), pois afinal de contas, é um negócio que só surgiu agora, certo? Verdade que ultimamente estão surgindo muitas novas versões de jogos antigos, algumas vezes com simples melhora gráfica, e outras vezes até a estrutura do gameplay é mudada. Mas será que isso é uma novidade que só surgiu agora? Na verdade não. Com a necessidade de dar utilidade a consoles de nova geração quando os jogos exclusivos ainda estão sendo feitos, vários remasters estão saindo ultimamente, mas não quer dizer que isso não era feito antes. Os motivos disso não ser feito em larga escala antigamente vão desde da dificuldade de converter um jogo para outra arquitetura, até a falta de necessidade de fazer isso, pois o tempo de desenvolvimento de vários clássicos da era 16 bits não passava de um ano.

Não lembra destes remasteres? Então vou citar alguns que mais me vêm à memória quando eu lembro do assunto.

Continue lendo

Vanquish – Análise do jogo de tiro do mesmo criador de Resident Evil

(TODO CONTEÚDO DESSE TEXTO PODE SER VISTO NO VÍDEO ACIMA)

Desenvolvido em parceria com a Sega, Vanquish é mais um excelente jogo da Platinum games que foi sucesso de crítica e ignorado pelo grande público. Trata-se de um jogo de tiro em terceira pessoa, dirigido por Shinji Mikami, o mesmo responsável por Resident Evil 4, o título mais influente nesse estilo de jogo e por esse motivo havia uma grande expectativa para Vanquish, ainda mais sendo o primeiro jogo dirigido por Mikami fora da Capcom, tendo toda liberdade que uma empresa que o próprio Mikami havia fundado e o que ele provavelmente descobriu é que autonomia é bom, mas financiamento também. Continue lendo